sábado, 12 de abril de 2014

"O crisol é para a prata e o forno é para o ouro: mas o Senhor prova os corações".

Recebi esse texto de um grande amigo, Paulo Rodrigues Simões,  e compartilho-o com todos vocês.

O CRISOL É PARA A PRATA
Estava aqui lendo O LIVRO "consciência cósmica" e uma frase me fez procurar seu significado na internet.
"O crisol é para a prata e o forno é para o ouro: mas o Senhor prova os corações".
O livro fala de outros significados desse ensinamento. Fala dos ciclos cósmicos. Fala que "o ouro constitui o foco das energias de alfa e a prata o repositório das frequências de ômega. E o Senhor Cristo que prova os corações é o Cristo Pessoal individual" pág. 106, capítulo 7 - consciência cósmica: um homem em busca de união com Deus, de Elizabeth Clare Prophet.
Encontrei então, uma linda mensagem em um blog de uma menina de BH:
(...) Aprendi o que é Crisol quando participando de um seminário para jovens o pastor pediu que abríssemos a bíblia no Salmo 66. Naquele momento percebi também que eu até então lia a bíblia superficialmente, sem me ater aos detalhes... Deixando passar a sutileza de Deus que fala através das pequenas coisas. Já havia lido o mesmo salmo diversas vezes! Mas nunca daquela maneira...
O Salmista começa entoando um lindo cântico de louvor pelas grandes obras do Senhor! Até cita algumas detalhadamente, convidando todos os povos a bendizerem o nome santo do nosso Deus! Até que no verso 10 ele diz: “Pois tu, ó Deus, nos provaste; acrisolaste-nos como se acrisola a prata.”.
Essa foi justamente a passagem usada pelo pastor naquele culto que mudou a história da minha vida. A prata é um metal lindo. Mas como todo metal, ela precisa ser lapidada para que tenha algum valor comercial.
Porém, o processo de lapidação da prata é diferente e de tão interessante é citado pelo salmista como estratégia de Deus para lidar com seu povo. Mas para percebermos a grandeza de tudo isso é necessário compreendermos como se dá esse processo.
Contemplando uma pedra bruta de prata, o artífice se vê diante de um grande desafio: fazer com que aquela pedra aparentemente sem nenhuma beleza e valor, torne-se uma jóia rara, delicada e preciosa.
Eu já havia comentado que toda mudança causa dor, certo? E no caso dessa transformação não é diferente!
Para conseguir alcançar seu objetivo, o artífice tem que colocar a pedra bruta de prata no Crisol, submetendo-a a altíssimas temperaturas.
Mas não é só isso. O artífice tem que permanecer bem junto ao Crisol durante todo o processo, mudando a pedra manualmente de posição de tempos em tempos para retirar dela por completo todas as impurezas.
Se ele se descuidar por um só momento, o fogo rapidamente consome a pedra, inutilizando assim todo trabalho.
Por isso, a presença do artífice é fundamental até a conclusão do demorado processo.  E ali, pacientemente, ele vai sentindo o calor quase insuportável do fogo em seu rosto, a dor pelo esforço físico repetitivo, a ansiedade para ver o resultado... Tudo isso sem perder a concentração, prestando atenção nos mínimos detalhes do seu minucioso labor.
Enquanto que a pedra bruta de prata é exposta diretamente ao fogo alto permitindo que sejam queimadas todas as suas vértices, deixando que o artífice a purifique de todas as suas impurezas...
Nesse tempo, o artífice tem uma relação de intimidade com aquela pedra. De tão próximos que ficam, ele passa a conhecer todos os lados dela, todas as sujeiras até a mínima que seja, todos as deformidades e imperfeições.
Ela por sua vez, confia plenamente nele e no seu zeloso trabalho.
E essa cumplicidade, esse companheirismo, essa parceria entre o artífice e sua pedra vão crescendo até que o processo chega ao fim.
Resta-nos apenas tentar entender como o artífice sabe que o processo chegou ao fim. Será por sua incrível sensibilidade? Será apenas pela experiência que os anos de trabalho lhe deram?
Não... Na verdade a obra terminada dá um sinal ao artífice... E é exatamente aqui que Deus sutilmente vem trazendo toda a preciosidade de seus ensinamentos. É aqui que o processo de acrisolamento da prata funde-se com o processo de implantação do caráter de Deus em cada um de nós.
O artífice sabe quando a prata deixou de ser apenas uma pedra bruta para torna-se uma joia rara, quando vê nitidamente o seu rosto refletido nela.
Acho que eu poderia terminar esse texto por aqui e vocês já entenderiam perfeitamente a verdade celestial inserida nesse contexto. Mas quero contar a vocês o que essa verdade fez com minha vida.
Naquele culto eu entendi que sou uma pedra bruta de prata. Todos somos!
E estamos nas mãos do GRANDE ARTÍFICE...
Resta a nós apenas a decisão de nos deixar lapidar, transformar, regenerar, purificar pelo próprio Deus.
Para isso necessitamos de muita coragem para enfrentar a dor das altas temperaturas, garra para vencer o sofrimento e o incômodo da retirada daquilo que não presta, confiança no AUTOR da obra e, fé para crer que sairemos melhores, muito melhores do Crisol de Deus.
Foi por isso que decidi que o Crisol é meu lugar eterno. Porque, enquanto eu viver, quero refletir a face do Meu Deus no mundo! Quero fazer a diferença. Quero permitir que o Senhor demonstre suas obras através da minha vida, quero ser resposta de Deus para as orações de muitos.
Quero sentir a verdadeira paz de ser pedra bruta nas mãos do meu Deus. Sim paz! Porque enquanto é o próprio Senhor nos manuseando com suas mãos poderosas, nos cozendo no fogo do seu Espírito, nos fragmentando com a espada da sua palavra, estamos em paz, porque é com amor que ELE nos faz passar por tudo isso. E é por amor que ELE passa tudo isso conosco.
Eu quero atravessar esse processo com intensidade na minha vida! Quero transpor todas as etapas! Só para depois poder viver a real essência de ser PRATA. PRATA reluzente que reflete a luz do alto, que tem a beleza do alto, que tem o caráter do alto.
Portanto, declarar sempre que estou “No Crisol” não é apenas usar uma frase de efeito. Nem é um hábito intencional para despertar a curiosidade das pessoas. Estar No Crisol é adotar um novo estilo de vida. É fazer uma ousada escolha. É tomar uma importante decisão.
E eu estou lá, "NO CRISOL". E vou permanecer. Pois é nesse lugar que eu quero, que eu preciso estar. Para sempre! (...)
Este texto me tocou profundamente. Especialmente por ser mulher e buscar com todo meu coração essa semelhança com a Presença Ômega do Ser. Fui correndo na internet entender como ser ômega, e recebi esse presente maravilhoso.
Agradeço que tenha lido até o final.

Vitória Sempre na Luz!

Um comentário: