sábado, 31 de dezembro de 2016

31 de dezembro de 2016


Em 21 de julho de 1952 às 9:50 hs, sob o signo de Câncer, eu vinha ao mundo para realizar a minha missão de resgate e crescimento espiritual. Mamãe contava que demorei horas pra aceitar a luz que me esperava do lado de fora do seu útero quentinho e acolhedor, e só depois de muita dor eu aceitei enfrentar o meu destino.

Fui uma criança normal como todas as outras, muito bem cuidada e educada, com a diferença de que em poucos anos eu já dava sinais do que tinha vindo fazer aqui; um resgate total. Minha resistência em deixar o ventre de minha mãe tinha suas razões mas só o tempo nos diria a quê vim. Cresci dentro da normalidade, sem preocupações de saúde, participando de todas as atividades inerentes à uma criança normal; família, escola, amigos...

O tempo foi passando e a juventude chegou repleta de novidades... anos 1960! O início de uma mudança de comportamento trazendo uma certa liberdade que se mostrava tão saudável e necessária para a própria evolução da humanidade, início dos sonhos, revelações, encontros, descoberta do amor... Assim a vida foi surgindo e me trazendo todas as informações pra direcionar minha carreira profissional e minha vida pessoal. Tempo de ouro!!! Tempo de sonhos, expectativas, quando sentimos o mundo em nossas mãos com o poder de conquistá-lo inteiramente. Assim tudo foi caminhando sem tropeços até o dia 30 de junho de 1979 quando assumi a fase mais importante da minha vida: o casamento.

Os sonhos começavam a se tornar realidade e de mãos dadas, como um só, demos início a uma jornada incrível com a criação da família recebendo nossos 3 filhos amados e direcionando toda a nossa energia na concretização do sonho de uma jornada feliz e próspera, oferecendo o que de melhor tínhamos para gerar pessoas íntegras e dispostas a ver o mundo com os olhos livres de preconceitos e com a disposição de vencer o mundo seguindo nossos passos e suas próprias escolhas.

O tempo foi passando, a família progredindo e durante 15 anos a vida foi perfeita e plena. Aos poucos os testes foram surgindo e fomos colocando em prática todo o conhecimento acumulado e a disposição de vencê-los.  A luta se intensificou e o tempo para curtir a vida foi ficando escasso e a disposição para olhar o mundo com olhos de esperança e alegria foram diminuindo, pois a luta pela sobrevivência foi maior e nossas almas finalmente encontraram o ponto, o objetivo real de nossas vindas e do nosso encontro.

Aos poucos os anos foram passando e nos trazendo os resultados de tantas lutas e começamos a ver que a nossa maior criação tinha sido perfeita, nossos filhos. Ronaldo, Marina e Renato foram vencendo as etapas e crescendo.

Mas e nós, eu e o Fernando? Nós que criamos o sonho? O que aconteceu com esse par de almas que se uniram com o propósito de vencer todos os obstáculos? Ah!!! a caixinha de surpresas da vida não trazia apenas os sonhos da juventude, mas também o enfrentamento do passado longínquo que todas as almas precisam enfrentar aqui pra atingir o tão desejado ponto alto!!! Qual é o ponto alto das almas que encarnam nesta Terra??? O sucesso? A família? O amor eterno? A riqueza?

Tudo que for pensado está muito longe da realidade porque vemos o mundo com os olhos humanos e esquecemos os olhos do espírito, assim nos dedicamos a viver a vida em busca da prosperidade e abundância mas nos esquecemos que somos almas aprisionadas na carne e que nossa busca é pela libertação dessas amarras, e assim estacionamos nossas almas num ponto qualquer da vida até que um dia o vento sopra com força e nos desperta do torpor criado pela ilusão da vida perfeita, e caímos na realidade dura de nós mesmos. Não nos preocupamos em crescer como almas, apenas como pessoas deste mundo.
Assim ao nos depararmos com a nossa própria realidade nos perdemos de nós mesmos enquanto a ampulheta do tempo escorre célere para terminar seu ciclo. O que fazer quando olhamos ao redor e nos vemos sozinhos ao lado daquele que escolhemos com tantos sonhos, que a ilusão colocou num trono de bolhas e explodiu? O que fazer quando descobrimos que estamos sozinhos com nossos desejos mais ardentes, que pareciam saciados no começo da vida, mas que na realidade permaneceram apenas como sonhos?

Esquecemos de viver nossos próprios sonhos pra poder vencer a realidade, quando na verdade deveríamos ter sonhado juntos e criado uma nova realidade! O sonho acabou! A dor é imensa e intraduzível! O reflexo de nós mesmos no espelho de cristal nos mostra a verdade absoluta com as rugas anunciando as limitações, com as forças diminuindo e com tantas coisas ainda por fazer... O desejo de continuar e vencer desperta no fundo da alma e queremos refazer ou apenas completar o que ficou incompleto e nesta altura da vida o que mais importa é ser feliz.

Como? A felicidade não depende mais do outro mas de si mesmo! Tudo o que foi criado está, mas o que ainda precisa ser criado depende de uma ruptura com o passado para que se permita a chegada do futuro. A dor é imensa e atinge todos os corações da mandala familiar muito amada, mas nossa jornada é individual, nosso crescimento é pessoal e precisamos seguir adiante custe o que custar, a não ser que decidamos parar no caminho e esperar uma próxima oportunidade pra realizar o final do projeto numa próxima oportunidade, que ninguém sabe se terá. Então, precisamos nos decidir custe o que custar, doa o que doer. Todo parto é doloroso e o meu pra chegar neste mundo exauriu as forças físicas da minha mãe, então preciso criar coragem e enfrentar novamente este parto que me trará a luz que tanto anseio, que me libertará do passado para vencer novas provas e quem sabe alcançar a vitória sobre uma parte da minha jornada evolutiva aqui na Terra.


Olhar para os meus filhos e sentir a dor nos seus corações de crianças que amam seus pais não tem como ser descrito, mas o parto não é só meu, mas de todos nós. Hoje, dia 31 de dezembro de 2016, nasce uma alma de parto fórceps, mas que cheia de coragem deseja viver pra vencer mais uma etapa. As marcas do parto mostram apenas o tamanho da missão porque a vontade de vencer é maior do que qualquer dor.



2 comentários:

  1. Ah, mãe! Que texto lindo! Vocês são o meu amor maior e serão sempre, respeito a decisão que vocês tomarem e estarei, assim como sempre estive e estou, ao lado de vocês.
    Eu agradeço a tudo o que vocês fizeram por nós, desde o dia que nascemos e que continuam fazendo até hoje. Meu coração está apertado, porque a família unida sempre foi um grande valor propagado por vocês. Mas acredito que esse valor não ficará para trás e que mesmo com caminhos distintos, sempre seremos a família que vocês criaram e que cuidam desde então com tanto amor, carinho, dedicação e luz.
    Amo você, minha mamãe!

    ResponderExcluir
  2. Eu amo você com todo o poder da minha alma, minha flor. Eu sou grata por sua compreensão e apoio e gostaria que não fosse assim, mas tem coisas que não dependem apenas de uma pessoa. Nós seremos sempre, pra toda a eternidade, sua família.

    ResponderExcluir